quinta-feira, 1 de junho de 2017

O feminino sagrado é só para mulheres?



Muito se fala hoje sobre o feminino sagrado. Isso é só para mulheres? Não. 
A cura da humanidade está em todos nós, homens e mulheres, trabalharem a energia do feminino sagrado. E já existem círculos de homens para isso. 

Outro dia um amigo querido me perguntou por que não existe o feminino sagrado para os homens. Por este motivo estou aqui escrevendo isso. 


O feminino sagrado não é uma questão de gênero. A energia do feminino e masculino sagrados estão presentes tanto na mulher quanto no homem. O feminino saudável é capaz de acolher, cuidar, sentir, amar, ouvir sem julgamentos, etc.

O masculino saudável decide sem passar por cima de ninguém, age com assertividade, direciona a própria vida com responsabilidade, protege as pessoas que ama sem sufoca-las, etc. 

O que aconteceu nos últimos séculos é que essas energias foram ficando muito distorcidas e tiranas em nós. Por isso existem tantos círculos de mulheres se trabalhando. E, felizmente, estão crescendo os círculos de homens que também trabalham essas duas energias: o feminino e o masculino saudável. E também existem pessoas que trabalham com homens e mulheres. Eu escolhi trabalhar com mulheres. Mas poderia também trabalhar com homens. A humanidade precisa da cura do feminino em si. Esse é o caminho. É o caminho do amor ❤️. É o caminho que cura. 

Liliane Simplicio

Fonte da imagem: google

sexta-feira, 17 de março de 2017

Por que participar de um círculo de mulheres?

Nos últimos anos tenho visto crescer no planeta inteiro o movimento de mulheres se reunindo em diversos trabalhos em grupo. São os círculos de mulheres.
E para que as mulheres se juntam para fazer coisas do tipo dançar, cantar, tecer, rir, chorar, cuidar, amar?
Para lembrar como é viver com SORORIDADE. E o que é isso?
“A origem da palavra sororidade está no latim sóror, que significa “irmãs”. Este termo pode ser considerado a versão feminina da fraternidade, que se originou a partir do prefixo frater, que quer dizer “irmão”.” Fonte: Site significados
Viver em irmandade nos fortalece individualmente também. Não só como grupo. As mulheres participantes criam um forte vínculo. São irmãs para todas as horas. Se ajudam. Se sustentam. Cuidam umas das outras. São acolhidas, amorosas, ternas.
E falo isso com a experiência que vivo. 
Nesse grupo resgatamos valores perdidos nos últimos séculos. De tecer uma teia da vida onde a base é amorosidade e o acolhimento. Todas com o mesmo objetivo de irradiar pela vida a energia do feminino sagrado, que é, em sua essência, puro amor.
É assim que em tempos áureos as mulheres viviam.
E é assim que esse movimento mundial está nos tornando novamente mulheres em sua verdadeira essência.

Fonte da imagem: Superelas


quarta-feira, 8 de março de 2017

Mulheres, vamos nos empoderar?

Hoje é dia internacional da mulher. Dia de lembrarmo-nos das lutas femininas. Todas muito legítimas. Foram necessárias.

E algo ficou sussurrando no meu coração: - será que precisamos continuar com a bandeira da luta? Meu coração me responde: - não. Empodere-se, mulher! Não lute. Empodere-se.

A mulher empoderada sente.
A mulher empoderada intui. Mais ainda do que intui, percebe e recebe a inspiração que vem pra ela. Ouve. É forte. Permite-se ser frágil. Impõe limites. Não se permite ser abusada. Vive seus princípios e valores.

A mulher empoderada dá força ao homem. A mulher com o feminino enfraquecido, tira a força do homem.

A mulher empoderada não trabalha, ela labora.

A mulher empoderada não precisa confrontar. Não precisa vencer. Ela simplesmente sabe o momento de ir, sabe o momento de sair. E se preciso, une-se a irmandade feminina encontrando cumplicidade e apoio para sair de situações difíceis.

Mulheres empoderadas andam juntas. Se amam. 

Ela é acolhedora e também sabe o momento de passar a espada quando é preciso. Com vigor.

O convite que recebi como inspiração hoje e compartilho com vocês é: não lutem. Empoderem-se Oh Mulheres! São vocês que vão governar o mundo. São vocês que encaminharão a humanidade. É o feminino sagrado equilibrado e saudável que nos salva. E é isso que vai trazer mais leveza a nossa vivência humana. E não é a mulher sozinha. A mulher empoderada vem acompanhada do masculino empoderado. Aqui só há INCLUSÃO. Não há espaço para exclusão. Portanto, o homem está junto. Assim ele também reencontrará o seu lugar. 

E por favor, não confundam. Empoderar-se não é tirar a força do outro. É fortalecer-se no feminino e masculino que existe em você. É enxergar no outro, por pior ou melhor que ele seja, que ali habita uma alma.


A mulher empoderada busca em suas causas estabelecer, por meio do feminino sagrado, os arquétipos da justiça, da beleza, da abundância, e, sobretudo, do amor. Sim, ela sabe amar. E é nesse amor que deixaremos de sobreviver para viver. 

Liliane Simplício


quarta-feira, 16 de novembro de 2016

A que vim?



2016 foi o ano em que essa reflexão me acompanhou. Muitas mudanças ocorreram na minha vida. Experimentei de forma maravilhosa (também doída) como a vida é movimento. É a Lei da impermanência. Uma das leis espirituais que nos regem. 

A que vim? Você já se respondeu isso? O único caminho que encontrei para essa resposta é o caminho do coração. Sentir o que sua alma clama. O que de verdade faz meu coração pulsar? Como vou saber que é isso que vim fazer nesta Terra?

Hmmmm. Pare. Respira. Sinta seu corpo. Sinta seu coração vibrar. Sinta que você tem coração, pra começar. 

Relembre as coisas que você já fez que te fizeram sentir uma alegria tão vibrante que mal cabia n'alma. Sabe assim? Pequeninas coisas que às vezes passam sem percebermos sua grandiosidade. Olhar nos olhos alguém que você não conhece e receber de volta energia do amor. Pelo olhar. Segundos de interação. 

Também pode ser algo grandioso. Uma missão maior, uma obra, um serviço. Um Servir. Um Viço do Ser. 

Olha, só sei te dizer uma coisa: não há mais tempo a perder com as mazelas do ego que nos dificultam o caminhar. Busque dentro de si o que tem de melhor. Acolha dentro de si o que tem de pior. Pois sim! Não se iluda. Você que se acha alma boa, acolha o que não é tão bom assim. Luz e Sombra. Assim somos. 

O que te faz respirar amor? O que faz seu coração pulsar forte? O que sua alma clama.

Se acalme e entre nessas profundezas, com a mente silenciada. A resposta vem. Você vai saber. Sua alma já sabe. 

Entregue. Confie. Aceite. Agradeça.

Liliane Simplicio

terça-feira, 26 de julho de 2016

Dia das Avós

Hoje saúdo e honro minhas ancestrais.
Honro o caminho que elas percorreram.
Suas lágrimas.
Seu suor.
Sua dor. 
Suas risadas.
Seus amores. 
A alegria de ser mulher.
Eu herdo a sabedoria de suas almas. 
Eu as honro e as respeito. 
Que eu seja digna de prosseguir a jornada que essas mulheres começaram.
Por elas, estou aqui.

Aho Mitakuye Oyasin!

Liliane Simplício



Fonte da imagem: google

sexta-feira, 22 de julho de 2016

Maria Madalena, símbolo profundo do Sagrado Feminino




Eis-me aqui Senhora!
Eis-me aqui à seus pés, Senhora do Universo!
Eis-me aqui.
Que guia meus passos...
Que reside em meu coração...
Que sopra nos meus ouvidos, para que se faça a verdade fluir.
Que ilumina meus olhos a ver o caminho do amor.
Eis-me aqui Senhora,
Para que seja discípula multiplicadora de tuas bênçãos e sabedoria
Para que possa honrar teus passos, na humilde jornada de meu caminho.
Senhora do Universo,
Aos seus pés lhe agradeço à guiança. 
Que na comunhão com todas as mulheres, possamos amar-te e seguir-te à caminho da plenitude de simplesmente sermos quem somos.
Hoje celebro tua existência divina que me ensina a novamente ser mulher.
Teu tesouro é o coração que desperta o meu coração. 
Eis-me aqui, Senhora, em profunda gratidão.
Eis-me aqui.


Liliane Simplício


Fonte da imagem: google

segunda-feira, 18 de julho de 2016

O Resgate do Sagrado Feminino



Há alguns anos tenho me aprofundado no resgate do meu sagrado feminino. Lembrando a mim mesma o que é ser uma mulher, verdadeiramente. Livre dos dogmas feministas e machistas que se incrustaram em mim em forma de crenças e padrões de comportamentos repetidos década a década.

As mulheres achavam que se fortaleceram. Os homens enfraqueceram. Os papéis se misturaram. Confundiram-se.
Qual é o meu papel na família como mulher?
Qual é o meu papel como esposa?
Qual é o meu papel como mãe?

Muitas vezes me vi impedindo meu companheiro de ser homem com meus posicionamentos radicais, falsamente empoderada de força masculina tiranizada. "Deixa isso comigo que eu dou conta! Eu sou autossuficiente! Não preciso que homem algum cuide do que é meu!". Você, mulher, já se sentiu assim?

Há pouco percebi que isso era o masculino tirano dentro de mim, sustentada por um feminino distorcido. Aos poucos fui me aprofundando no trabalho de conhecer o feminino que é sagrado em mim e o masculino que é sagrado em mim. As coisas foram mudando. Estão mudando. Reaprendendo a ser mulher. Poder sentir de verdade. Receber e conectar-me com a intuição que me guia. Acolher a mim mesma. Acolher o marido. Acolher a filha. Dar colo. Cuidar de mim. Cuidar do outro. Saber o limite saudável do cuidar. Despertar a sábia ancestral que habita em mim que é capaz de equilibrar as energias do feminino e do masculino.

Hoje eu leio o artigo do link abaixo. Uma freira dizendo do sagrado feminino que está na bíblia. As mulheres bíblicas foram retiradas da história. Não tinham valor. Para que se fortalecesse o patriarcalismo elas não podiam existir. E quando citadas, usurparam sua verdadeira história, como fizeram com Maria Madalena, apóstola de Jesus. Ao me deparar com essa deliciosa entrevista e saber da existência da freira Tea Frigerio que trabalha com mulheres, resgatando o sagrado feminino, fiquei muito feliz. Trazer um olhar feminino para a bíblia. Vale a pena demais a leitura.


Irmã Tea Frigerio Fonte da imagem: google


Clique aqui  e leia a entrevista. Vale a pena. Fonte: Revista AZmina

Além disso, indico o filme "A Tenda Vermelha", em dois episódios, atualmente transmitidos no Netflix. Procure o nome em inglês: The Red Tent. Narra a história de Rute, filha de Jacó, com muita sensibilidade, mostrando claramente as mulheres bíblicas. Recomendo!



Um caloroso abraço à todos

Liliane Simplicio